Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

background

Empatia, habilidade tão em evidência no momento que até parece uma descoberta.

27 de Novembro de 2020 às 00:00

Empatia, habilidade tão em evidência no momento que até parece uma descoberta.

Um lamentável equívoco, uma vez que ela sempre foi uma necessidade, inclusive para a sobrevivência do ser humano. Embora nem sempre presente.

Respeitar, considerar outras necessidades que não apenas as nossas, ouvir e abrir caminho para atos de compaixão, como resposta a dor de outros. Tudo isso depende dela.

Aqui, aí, em nós e no planeta.

Eu tenho certeza absoluta de que você já sabia disso.

O conceito é muito popular e serve para explicar e elucidar. Assim como acontece, quando precisamos explicar algo para uma criança que ainda não tem maturidade para entender a complexidade acerca da pergunta feita – somos obrigados a oferecer uma resposta rasa, para apenas “tentarmos” explicar.

A complexidade da empatia, está exatamente no momento em que eu preciso me encontrar comigo – a autoempatia.

Todo processo que me leva em direção ao outro, parte de um lugar chamado eu.

Eu preciso necessariamente conhecer os meus limites, sentimentos e emoções, para considerar e respeitar os de outros.

Eu preciso entender, de que forma o que está acontecendo com você, reverbera dentro de mim. Como me toca, onde me toca e que tipo de sentimento ou emoção isso me provoca. Tudo o que explica o tipo de reação que posso ter diante das circunstâncias.

Por isso não é lógico, funções que demandem relacionamento com outros, desconsiderarem a necessidade acerca do desenvolvimento dessa habilidade.

Decisões difíceis diante de circunstâncias complexas, sempre farão parte da nossa rotina.

Mas tanto a análise da circunstância, quanto a decisão sobre a forma de agir diante dela, terão seus impactos negativos significativamente transformados, quando manifestados por profissionais com habilidade sócio emocional desenvolvida, como a empatia.

 

Stefanie Murta

*Especialista em Psicologia Positiva dedicada à empatia no ambiente corporativo e idealizadora do EMPATIZARH.